AgroValor Publicidade
Agro&cultura

Cheguei em Aracati aberta às emoções naquela manhã convidativa e prazerosa ao lado de familiares mui queridos.

Tão logo visualizei a ponte sobre as águas do velho e dolente rio Jaguaribe, o meu peito se viu em festa respirando aqueles ares unicamente capazes de avivarem as lembranças mais queridas, de um tempo ali vivido, aos sabores de abençoadas manhãs.

Coração, assim, em festa, olhos marejados d’água... Pisei em terra firme já agradecendo aos Céus a oportunidade de ali estar entre sabores, abraços, afetos, energizando a alma, que mesmo dividida (uns lá e outros cá...), se fazia plena de toda a graça.

E foram, assim, tantos passos em meio a sorrisos e abraços que nem sei como aquela alegria toda coube no meu coração!

Ruas, avenidas, praias... Andei, visitei e divaguei. Mas foi no meu velho sobrado "repaginado" que a mais forte emoção senti! E, não me contendo, chorei embalada pelas lembranças - mais sutis - afloradas... Uma certeza cresceu dentro de mim: aquele sobrado continua sendo meu! Não importa mesmo o seu novo dono, as mudanças feitas, as demolições sofridas... Tudo permanecia intacto na minha mente e recordações.

Ao descer a escadaria (vinte e um batentes), de alma lavada, ganhei o mundo... o meu mundo cercado de cores e odores; coberto por um azul mais azul, repicado de estrelas e sonhos.

Ah! meu Aracati de açúcar! Como, na verdade, poderei esquecer de ti?

E foi na noite daquele sábado, naquele encontro inusitado aos festejos de um feliz aniversário, que o abraço se fez mais apertado e o coração mais largo! Quanta alegria incontida ao rever e me cercar de amigas - queridas amigas - de um tempo estudantil no bem guardado e amado Ginásio São José (1967). De novo, chorei... como não?! Eita mulher fraca, chorona! E olhe que a " turma" não estava em nada completa. Um desafio para mim que terei que acessar contatos e agendar um grande encontro para o ano vindouro. Tomara consigamos uma boa parte de presenças para suplantarmos saudades e purificarmos as boas lembranças, reatando, assim, laços de amizade.

Tudo foi festivo, simples, mágico, encantador. Se "chorei ou sorri... emoções eu vivi!", disse-nos, um dia, Roberto Carlos. Comprovamos e reafirmamos, não foi, "meninas"? Em nossos corações pulsa, agora, uma nova promessa.

Deixei, assim, Aracati -  depois de muitas andanças -, de alma lavada em meio a esses momentos felizes, num final de semana não tão qualquer. Revitalizador!

Nas mãos, pouca bagagem. Apenas um mimo para os netos que ficaram à minha espera.

No coração, porém, saudades abençoadas.

Aracati, não te perco de vista.

Aguarde-me!


Áurea Castro
“Escrevinhadora" – como se autointitula a integrante – do grupo literário Sarau do Beco, de Fortaleza (CE).


(ILUSTRAÇÃO: LINCOLN SOUZA)
 

comments powered by Disqus
 
INSTAGRAM
Rua Pinho Pessoa, 755, Fortaleza/CE
CEP 60.135-170
Central de Relacionamento
AgroValor (85) 3270.7650
Copyright © 2006-2014
WSete Design