AgroValor Publicidade
AgroValor

Como ocorre todos os anos, milhares de pescadores se prepararam pra ir ao mar neste 1º de junho, quando a pesca da lagosta pode ser legalmente retomada em todo o território nacional, após o período de defeso de seis meses. Porém, a ausência de licenças de pesca, que não foram emitidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) até o momento, prejudica seriamente a atividade.

De acordo com o Sindicato da Indústria de Frio e Pesca do Ceará (Sindfrio-CE), 1.822 licenças deixaram de ser emitidas no Estado, representando cerca de 20 mil pescadores envolvidos diretamente na atividade e um prejuízo de aproximadamente R$ 1,1 milhão por dia parado.

"Nossa expectativa era movimentar, nesta temporada, US$ 57 milhões por meio da exportação da lagosta no Ceará, que é o maior produtor do Brasil. Esse valor, dividido por 180 dias, período em que a pesca fica liberada, representa cerca de US$ 316 milhões. Quando convertemos para o real, temos um prejuízo diário de R$ 1,1 milhão", afirma o diretor do Sindfrio-CE, Paulo Gonçalves.

Segundo ele, em todo o País, cerca de 4.200 licenças não foram expedidas. "Além do Ceará, os outros estados do Nordeste e o Pará também são produtores. Mas o Ceará responde por 70% da exportação de lagosta do Brasil", acrescenta.

Antecedência
As licenças de pesca são uma exigência para as embarcações praticarem a atividade. De acordo com o Sindfrio-CE, no último ano, o documento foi entregue com cerca de 10 dias de antecedência ao início do período de pesca. O Mapa, responsável pela emissão das licenças desde a extinção do Ministério da Pesca e Aquicultura, publicou no Diário Oficial da União dessa segunda (30) a Portaria nº 105, prorrogando as autorizações de pesca que vencerão entre 1º de junho e 30 de agosto.

Mas, conforme o Sindfrio-CE, todas as licenças venceram no ano passado, e a lei não permite prorrogar o que está vencido, de modo que o impasse permanece. O setor enviou uma proposta para que o ministério proceda com autorização provisória para a pesca da lagosta, mas até o momento também não foi atendido, segundo o sindicato.

Cadeia produtiva
De acordo com Paulo Gonçalves, a situação prejudica toda a cadeia produtiva. "Além dos pescadores, temos milhares de trabalhadores envolvidos na preparação dos barcos e na indústria. Esperamos uma solução rápida, pois nenhum barco vai pescar sem a devida licença. O setor não pode ser prejudicado, pois vem investindo e se preparando para esta temporada há quatro meses. Infelizmente, estamos com esse investimento parado e sem perspectiva", destaca.

Ele diz que, caso o problema não seja solucionado, "40 mil pessoas envolvidas diretamente com a atividade vão ficar sem trabalhar, algo inadmissível no atual momento de crise econômica do Brasil".

Mercado
Atualmente, o Ceará exporta lagosta para 15 países: Estados Unidos, Canadá, Espanha, França, Bélgica, Itália, Emirados Árabes, Japão, Cingapura, Malásia, Taiwan, Hong Kong, Vietnã, China e Austrália, movimentando US$ 39,8 milhões em 2015.

O Estado é o primeiro em exportação do crustáceo no Brasil, seguido pelo Pará, que exportou US$ 10,2 milhões; Bahia, US$ 9,9 milhões e Rio Grande do Norte, com US$ 6,9 milhões.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Mapa para repercutir o tema, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Diário do Nordeste
Foto/legenda: De acordo com o Sindicato da Indústria de Frio e Pesca do Ceará, 1.822 licenças deixaram de ser emitidas no Estado, afetando cerca de 20 mil pescadores (Kid Júnior)

comments powered by Disqus
 
INSTAGRAM
WSete Design
Av. Desembargador Moreira, 2001, SL 307 Fortaleza/CE
CEP 60.170-001
Central de Relacionamento
AgroValor contato@agrovalor.com.br
Copyright © 2006-2019
WSete Design