AgroValor Publicidade
Haras de valor

da Redação

O Peru, país latino- americano que faz fronteira ao leste com o Brasil (região da Amazônia), vem conquistando gradativamente fatia do mercado internacional de turismo. Tem floresta, deserto, montanha e um – ainda desconhecido – litoral, banhado pelo Oceano Pacífico. A economista Milagros Ochoa Koepke, do Escritório Comercial do Peru no Brasil, órgão ligado ao Ministério do Comércio Exterior e Turismo daquele país, diz que o governo peruano está promovendo no Brasil campanha para atrair mais turistas brasileiros.

Entre as dezenas de atrações geográficas, históricas, artísticas, religiosas e culturais, destacamos uma no Haras de valor deste mês: O cavalo peruano de passos. Raça declarada Patrimônio Cultural do País, e considerada a melhor de sela do mundo, por sua marcha, pisada ou andadura típica e que nenhum outro animal da espécie tem, oferecendo conforto ao cavaleiro.

Mas o que vem a ser isso: Pisada – ou tipos de andaduras – de cavalos? Gabrimar Martins, professor do Curso de Zootecnia da Universidade Federal do Ceará (UFC), especialista no assunto, diz que há três tipos de andamento natural dos equinos: passo, trote e galope. A marcha é um ritmo “modificado” ou artificial, “entre o passo e o trote”, explica. Como o trote é uma andadura desconfortável, que faz com que o cavaleiro trepide na sela, e como existiam animais que, naturalmente, modificavam o trote, “criou-se as características desejadas pelo homem”, acrescenta Martins.

O andamento do cavalo “é um padrão genético”, afirma o professor, acrescentando que a aptidão é o que já nasce com o indivíduo, “e o homem aproveitou” essas características. Nesse sentido, formaram- se três tipos de marchas, de acordo com ele, que são a picada (“a mais macia”, segundo Martins, quando o cavaleiro “fica quase parado” na sela), a batida e a própria andadura (ver Box).

Na marcha macia, o cavalo mantém as patas bem equilibradas no solo, não se elevam tanto como na marcha batida, quando o animal “eleva mais os membros”, detalha. Na marcha “boa”, o cavalo mantém três pés no chão e um elevado. No galope, há momentos em que o cavalo “tira as quatro patas do solo”, ressalta.

Ainda sobre as aptidões naturais, o professor cita o cavalo Brasileiro de Hipismo (BH), muito usado pelas cavalarias de polícia. “Por causa de sua habilidade (inteligência), docilidade e tamanho (que dá mais segurança ao policial), um animal grande, de 1,62m de altura. O Brasileiro de Hipismo foi trabalhado para saltar, essa é a aptidão natural dele”. 

Em relação ao Mangalarga Marchador, Martins explica que ele tem como característica, na sua marcha, “o tríplice apoio, que é o movimento sempre tocando três patas no solo ao mesmo tempo”.  E afirma: “Quando se quer direcionar uma raça, tem que saber o que se quer dela. Isso é seleção, ‘manter o padrão, o estilo’, e para isso vai-se acasalando para melhorar a raça. Assim se formaram todas as raças para trabalho, corrida, esporte, conformação e outros, de acordo com o professor.

SAIBA MAIS

Tipos de andamento
• Natural: passo, trote e galope
• Artificial: marcha (entre o passo e o trote)
 
Tipos de marcha
1. Picada: a mais macia
2. Batida
3. A própria andadura

Fotos: Divulgação

comments powered by Disqus
 
INSTAGRAM
Rua Pinho Pessoa, 755, Fortaleza/CE
CEP 60.135-170
Central de Relacionamento
AgroValor (85) 3270.7650
Copyright © 2006-2014
WSete Design